.

.

SENHOR "X"

Fique a vontade para ler a sinopse e o 1º capítulo desta obras de Francisco Maél, se quiser fazer contato com o autor sobre os livros ou ações sociais:
Tel: (21) 99175 0690

Em senhor X, Zeca, um jovem acadêmico, é expulso da escola de medicina, mas, mesmo assim, trabalha como médico.

Maximiliano Shell, o senhor X, fica rico com o tráfico de órgãos, mas em ambos os casos não deixam provas.

Um incêndio na casa do senhor X acaba com tudo e cada um segue o seu destino. O que você faria para salvar um ente querido que precisa obter um órgão para transplante?

1º CAPÍTULO
Um homem com óculos escuros tomava banho de sol tranquilamente em Pinamar, uma praia argentina. Tinha algumas restrições, pois as pequenas cicatrizes das cirurgias plásticas ainda eram recentes, por isso parte de seu corpo era coberto com um grande guarda sol do hotel em que estava hospedado. Ele lia uma revista quando foi interrompido por uma mulher que solicitou, em espanhol, que desse uma olhada em suas roupas enquanto ela iria se molhar um pouco.
O sol estava bem quente e a praia não estava cheia, algumas pessoas passeavam outras brincavam na água enquanto o homem estava ali, perdido em suas lembranças. Sem desviar da revista ou mesmo olhar para a moça, ele balançou afirmativamente a cabeça. Seus pensamentos estavam em outro lugar. Pensava no seu passado recente e não prestava atenção ao que via na revista e muito menos ao que ocorria a sua volta.

Juan Carlo Pedroza, voltou à realidade quando a mulher o agradeceu por ter tomado conta de seus pertences. Agora sim, ele deu conta da mulher que falava com ele. Uma bela morena de cabelos longos e corpo escultural. Não dava para não reparar toda aquela beleza. A classe média frequentava em massa aquela praia, devido a sua beleza e as opções de lazer e gastronomia. Mulher bonita naquele lugar parecia ser normal.

- Ah! Desculpe, eu sou Juan Carlo, cumprimentou o homem admirando a mulher.

- E eu sou Daniela. Posso usar a sombra de seu guarda-sol?

- Claro! Respondeu o homem se animando.

- É que o sol está muito forte e eu não queria ir embora agora.

- Fique à vontade.

- Obrigado, Juan Carlo... Você está hospedado no Plaza? È um ótimo hotel.

- Também acho. Você está onde?

- Eu moro e trabalho aqui.

Assim o papo foi rolando e os dois se conhecendo. Ao sair da praia a mulher fez um convite a ele.

- Juan Carlo, haverá uma festa de aniversário de uma amiga na boate "Tequila", eu estarei lá. Se você quiser me fazer companhia seria muito legal.

- Claro! Vai ser um prazer.

Desde que chegou à Argentina o homem não tinha estado com nenhuma mulher, pois ficou entre hospitais e recuperação das plásticas, queria agora tirar o atraso. Muitas mulheres e muito sexo.

De volta ao hotel onde estava hospedado, Juan Carlo relaxava de corpo inteiro numa imensa banheira. Por várias vezes pensou naquela bela morena que conheceu na praia e também no que poderia acontecer após a festa. Não queria mais nenhum relacionamento sério, pois sua vida iria se resumir apenas em passeios, sexo e descanso.

Escolheu uma bela e elegante muda de roupa para o evento, queria impressionar não só a morena, mas todas as mulheres que quisessem estar com ele naquela festa. Deu uma última conferida no seu visual e decidiu:

- Estou pronto, que venha a morena.

Ao chegar a Boate "tequila", já havia um bom movimento. Gente bebendo, falando alto, música e muita mulher bonita. Excitado, ele já pensava na noitada que teria. Aproximou-se do bar e deu um giro de 360º. A morena ainda não tinha chegado. Mulher é tudo igual em qualquer país, sempre chegam atrasadas, pensou Juan Carlo. Pediu uma bebida no bar. Aquilo não parecia uma festa de aniversário, porém com a quantidade de mulheres que tinha ali, ele não se importava com o motivo da comemoração. Pediu outra bebida.

A morena ainda não tinha chegado e o macho que se preparava para uma boa noitada, agora sentia uma pequena sonolência. Tinha ficado muito tempo sem ingerir álcool devido às cirurgias, talvez fosse algum efeito colateral. Uma mulher se aproximou dele e falou alguma coisa, porém a sonolência aumentava. Agora não conseguia distingui mais nada e apagou por completo.

Seus olhos lentamente foram abrindo, tinha dormido. Sentiu frio e dor. Ao despertar totalmente viu que estava numa banheira repleta de gelo. No espelho havia um grande bilhete com a seguinte mensagem:

Seus rins foram retirados, busque imediatamente um hospital.


Postar um comentário